26 de agosto de 2008

A faca e o hímen na mão

Gravura de Pablo Picasso


Quando se vai chegando aos 30, certos assuntos/tabus/paradigmas/verdades distanciam-se da memória por falta de uso. O ainda não-uso do corpo para fins sexuais - ou seja, a virgindade - é uma dessas teclas atrofiadas pela intocabilidade. Isso quando não resolvem vir à tona casos considerados tão raros à essa memória pessoal quanto à sociedade indignamente dona dos postulados que devem reger a nossa vida. Mulheres e homens com mais de 25 anos podem nunca ter chegado às vias de fato? Mesmo com toda a facilidade nos assuntos putariais do mundo pornoglobalizado? Essas pessoas, se não estiverem mentindo sobre sua condição de não-iniciados, seriam ETs? Se a nós, ligeiramente safadinhos, soa estranho, imagine o que passa pelo íntimo da criatura que se encontra no estado de "pureza"?

Pelo menos 3 situações do tipo me foram confessadas nos últimos tempos. E, em todos os casos, o drama é grave. Bem longe de ser charminho, frescura ou frigidez, os tais virgens são vítimas das circunstâncias: "Nunca apareceu ninguém com quem eu pudesse ter alguma relação mais íntima", dizem, unânimes. Ok. Mas, para algumas criaturas, o problema está no que a transa representa: pecado, orgia, crime, perversão. Seja pela educação repressora ou por azar mesmo, o virgem de quase 30 anos entra num estado de desespero não pela ebulição nas entranhas, mas principalmente pelo rótulo inaceitável de membro (ops, desculpem a palavra) do Movimento dos Sem Sexo (MSS). Como participar de conversas sobre sexo sem parecer ingênuo? O que as pessoas vão pensar? E, nas oportunidades, vem também o medo de pagar mico com o parceiro. Aí fud...aí lascou tudo! O problema vai rolando na neve até virar uma bola desse tamanho...e não sobra espaço, no mundo, para os SS. Matar-se? Alguns apelam para prostíbulo ou, no caso das meninas, experiências até mais íntimas do que o coito comum: anal, oral, au-au, sei lá. Algumas fazem de tudo, mas na frente é proibido. Tudo por causa de uma pelezinha de nada...

Sinceramente, eu me comovo com o drama dos meus confidentes. Por isso, meu último conselho a uma integrante do MSS - apaixonada por um loiro e inacessível gigante (ai, pobrezinha...) foi: aproveita que és artigo exótico no mercado e confessa pra ele que és virgem. Toma uma anestesia alcoólica (via oral, claro. eu quis dizer, pela boca. Porra! ai...Você entendeu!) , abre as pernas e acaba logo com isso. Você tem a faca e o hímen na mão.

6 comentários:

Tatis disse...

HAHAHAHAHAHA

Olha, vou até fazer a marca do MSS, pq acho tendência.
Neovirgens devem entrar no MSS com certeza!

Amo-te, saudade!

Tatis disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Alexandre disse...

Escutei uma vez a história de um cara que tinha quase 30 anos e só tinha usado o tal só pra mijar.
Se fosse meu amigo eu levaria no puteiro e pronto.

Quanto mais demora pra resolver, pior fica.

DW disse...

Extremamente Freudiano hahahaahaha
Algo realmente dramático e complicado mesmo. Lembrando uma frase muito antiga dizia que nem sempre é fácil abrir as pernas. Talvez se "encaixe" bem aqui. (que trocadilho infame rsss).
Alguns dizem que virgens são objetos de mau agouro e que essa história não passa de mais uma vitória de Sto Agostinho em sua luta milenar pela preservação do pecado carne.

=]

Anônimo disse...

mau agouro é foda!

nobody disse...

Eu acho escrotice usar o tal hímen pra barganhar privilégios. se eu fosse a figura do sexo oposto (ou do mesmo sexo né?), ficaria preocupada(o) pq algum problema tem aí... Já os neovirgens estão SS, não são!