4 de janeiro de 2011

Complexo de Sula Miranda

Daqueles assuntos de quando já tá faltando assunto na mesa feminina. Quase um jogo da verdade, com figurinhas divertidas sobre cafuçus. Contávamos peripécias da categoria Profissão. Saiu de tudo, de operador de fotocopiadora a mágico, passando por puliça e até bombeiro. Mas uma palavra pasmou o grupo: caminhoneiro. Ela já disse sorrindo, meio baixinho, como que a confessar somente pelo dever. Não passou batida, porém. Todas queriam saber da aventura Sula Miranda da garota, que, em vez de cobrir o rosto com as mãos, ensaiou um olhar saudoso de quem comeu e gostou (no bom sentido). Narrou o acontecido, o romantismo do rapaz, o nível alto de paixão daqueles beijos, a pegada do operário das estradas. Destacou também o respeito, a consideração, a paciência. "Coisa rara entre os cults, não?". Verdade. Logo todas se imaginaram no conforto da boleia, a ouvir Roberto Carlos, brincando com aqueles rosários e fitinhas pendurados no retrovisor. Contemplariam o grande adesivo do Cristo. Quiça o próprio crucifixo, dependendo da fé. Cada uma delas imaginou seu rosto tatuado no braço do robusto caminhoneiro, seu nome no parachoque, no meio de frases de amor. Suspiraram junto à nostálgica primeira-dama do Clube Irmão Caminhoneiro Shell. A boyzinha de Pedro e Bino. A inspiração de longas estradas. E quiseram ter estado lá.

6 comentários:

Juliana Coelho de Andrade disse...

Muito bommmmm! Kkkkkkkkkkkkkkkkk...

=*

Lucas Pereira disse...

eu seeeeeeeeeeeeeei eieiei
todo dia nessa estradaaaaaaa
no volante eu penso nela
já pintei no pára-choque
um coração e o nome dela
o nome dela... o nome dela...
(isso era 1985, Renatinha era apenas uma garotinha...)

Regiane disse...

Eu tive um romance com um motorista de taxi uma vez. a vida tem essas coisas rs

Tempestade disse...

Daqui a pouco virão os textos a exaltarem os Rodolfos Valentinos, quando a Era de Ouro dos Cafusus acabar Jornalista? rssssss

Adoro teus textos
=**

Lucas Pereira disse...

Para matar a saudade das moças, alguns clássicos do para-choque amoroso: “20 Buscar 100 demora 60 aqui e vamos embora.” “Muitos pneus cheios, mas um coração vazio”.“Beijo de mulher casada tem gosto de pólvora”.“Deus abençoe as mulheres bonitas, e as feias se sobrar tempo”.“Feliz foi Adão, que não tinha sogra nem caminhão”.

Fernando Azevedo disse...

Ae Renatinha, saiba que seu amigo aqui já foi caminhoneiro por alguns anos na minha juventude! Meu pai ficou muito triste por não seguir na profissão, mas vivi momentos maravilhosos durante esse tempo! Sou um cafuçu completo! kkkkkkkk